Hanami – Cerejeiras em flor & Rolinhos de repolho

Depois de um longo tempo apreciando filmes japoneses concluí que eles tem um grande respeito e, melhor ainda, compreensão perante a morte. Muito diferente dos ocidentais eles vêem a morte como uma coisa natural. Dói? Dói, mas é o ciclo da vida. As cerejeiras são como uma metáfora para tudo isso. Elas florescem apenas por alguns dias, colorindo toda a cidade de rosa e depois morrem. E são celebradas da mesma forma. O ciclo não pode parar.

Hanami (花見 lit. olhar as flores) é um costume tradicional japonês de apreciar a beleza das flores.
Nesse festival, as pessoas costumam se reunir embaixo das árvores para apreciar o evento enquanto fazem piquenique.

Pensando em outros diretores japoneses sentimos a mesma impressão, dentre eles cito Yasujiro Ozu e Koreeda. Os filmes que mostram o cotidiano sem grandes marcas e surpresas, o dia-a-dia, os momentos de convivência familiar (nem sempre tão intensos) porque assim é a vida. Porém, nesse filme da alemã Doris Dörrie temos aquela impressão que de repente a gente não está fazendo tudo pelas nossas relações. Será que estamos mesmo prestando atenção naqueles que estão a nossa volta e fazendo com que se sintam bem durante essa jornada?

01

O filme fala de um casal de idade já avançada que moram no interior, filhos que moram na capital e um deles em Tókio. Trudi (que é belamente interpretada por Hannelore Elsner) é uma senhora pacata, preocupada com a união da família, que todos os dias prepara o lanche pro marido levar ao trabalho. Rudi, o marido é aquele homem que leva a vida na rotina normal, sem grandes desejos ou sonhos.
É quando menos se espera que o destino se manifesta, os médicos contam a Trudi que o seu marido está doente e aconselham que os dois vivam o que tem que ser vivido, façam uma viagem, ou seja, aproveitem que não vai durar muito. Por incrível que pareça ela consegue convencer o marido a irem a Berlin visitar os filhos, mas ele se nega a ir ao Japão, como ela sempre quis.

Sempre quis ir ao Japão com ele.
Ver o Monte Fuji, ao menos uma vez.
As cerejeiras em flor. Com ele.
Mesmo porque, não consigo me imaginar vendo qualquer coisa sem o meu marido.
Seria como se realmente não estivesse vendo.
Como eu posso continuar a viver sem ele?”
(Trudi)

É nessa viagem que Trudi vem a falecer e Rudi começa a repensar em tudo o que já viveu. Voltar pra casa sem ela, o enterro sem grandes manifestações de amor dos familiares. E ele se pergunta por que não foi com ela sequer uma vez ver o Monte Fuji que ela tanto queria?

hanami1
A partir daí começa um grande resgate de Rudi pelo tempo perdido, ele embarca para o Japão levando consigo algumas coisas de Trudi, para mostrar a ela o Monte Fuji e tudo mais que não pode fazer quando ela ainda estava viva.

“Talvez, apesar de tudo, ele estivesse feliz.”

É muito complicado se chegar à conclusão que a maioria das pessoas só dá valor MESMO quando perde a outra.
Esse é um filme incrível, emocionante e com certeza você vai querer comer rolinhos de repolho com purê de batatas depois dele, nem que seja apenas para sentir a nostalgia e o amor que é transmitido por um almoço entre pai e filho que é mostrado no filme. Os rolinhos são um prato típico da cozinha alemã conhecido como “Kohlroulade”

rolinhos-de-repolho

Rolinhos de Repolho

Tempo de Preparo: 60 min
Tempo de Cozimento: 30 mins
Serve: 2

O que você vai precisar?

  • 8 folhas de repolho
  • 300 gr. de carne moída (usei patinho)
  • 1 cebola média picada bem miudinha
  • 1 tomate picado
  • 2 dentes de alho amassados
  • 1/4 xíc. de arroz lavado e escorrido (cru)
  • Salsinha
  • Sal a gosto
  • Pimenta do reino a gosto
  • Suco de 1 limão
  • Azeite de Oliva – para a parte do cozimento
  • Tomates pelados ou seu molho de tomate pronto preferido

Como fazer?

  1. Misture a cebola, tomate, salsinha, alho com a carne moída. Em seguida tempere com o sal, pimenta, misture o arroz e regue tudo com o suco de metade do limão – reserve a outra metade.
  2. Retire a parte ‘dura’ do talo das folhas de repolho. Coloque em agua fervente, uma a uma, as folhas de repolho para que elas amoleçam um pouco e possam ser dobradas sem quebrá-las. Reserve.
  3. Pegue a mistura da carne moida e molde como pequenos quibes. Sempre tendo em mente o tamanho das folhas de repolho que você tem. No meu caso o repolho era orgânico e pequeno, sendo assim, fiz pequenos mini-quibes.
  4. Assim que terminar de enrolar totalmente prenda com um barbante ou palito. Acomode todos os rolinhos em uma panela com azeite de oliva no fundo. (Em algumas receitas que vi por aí dizia para simplesmente jogar uma lata de molho pronto por cima, noutras para acomodar fatias de cebola e tomate e depois jogar um pouco da água do cozimento do repolho. Eu escolhi fazer um molho básico fritando meia cebola, 1 dente de alho, 1 lata de tomates pelados, um pouco de orégano e sal.)

Observação:

Esse prato é normalmente servido acompanhado de batatas cozidas ou purê de batatas. Eu optei pelo purê, pois é uma coisa que eu gosto muito. Faça ele do seu jeito habitual ou se você não sabe fazer purê lá no Panelaterapia tem uma receita muito boa e prática.

Comentários no Facebook