Relatos Selvagens & Batata a Cavalo

Relatos Selvagens é um daqueles filmes que te dá uma espécie de catarse. O filme de 2014, dirigido por Damián Szifron, traz 6 histórias de um dia de fúria. Sabe aquele dia que tudo dá errado e você simplesmente toca o terror porque a vida já deu tudo o que tinha que dar e está ainda te pedindo paciência? Pois é, todos já passamos por isso.

Filme isto, Nestor!
Nestor, filme isto, por favor!
(Romina, melhor louca)

Confesso que terminei de assistir o filme com aquela sensação de simplesmente ”não sou obrigada” a passar por algumas coisas na vida e dá vontade de falar altas verdades para quem merece ouvir. Surtos a parte, digo: ASSISTAM.

relatos-salvajes-1 (5)

São 6 histórias distintas. Tudo começa com uma viagem de avião onde de repente, todos os passageiros se dão conta que conhecem uma pessoa em comum. Como assim? isso só poderia ser uma armadilha. E é. Esse começo do filme, com final incrível, já te faz dar pulos da poltrona de emoção.

Na sequência temos o episódio do restaurante (do qual saiu a receita do post), onde um homem chega no estabelecimento vazio em uma noite chuvosa. Ao avistar o moço, a garçonete se dá conta que é o mesmo homem que arruinou sua família há alguns anos. Ele não lembra dela, porém, ela nunca o esqueceu.

relatos-salvajes-1 (4)

Grande atuação da cozinheira, interpretada por Rita Cortese, que dá um show de vontade de vingança ao querer colocar veneno nas batatas, contrariando a moça que, apesar de ter muito ódio do cara, ainda preserva uma certa noção da vida. O que será que ela fez?

Ainda temos uma história de um pai que tenta salvar o filho que cometeu uma atrocidade, atropelou uma grávida e não prestou socorro, fugindo com o carro ensanguentado da família. Num ato de covardia, ele resolve fazer uma oferta ao caseiro para que assuma a culpa do ato. Será que ele aceitou?

relatos-salvajes-1 (1)

Para mim, a história mais angustiante foi a que mostra em uma estrada, um homem com um carro importado, pelo que vemos um executivo cheio da grana, que se irrita ao passar por um outro motorista, que com seu carro velho fica fazendo zigue-zague na pista, o impedindo de ultrapassar. Fato é que ele xinga muito o cara, com palavrões e gestos humilhantes, finalmente passa a frente dele e vai embora. Ele só não esperava que o pneu do carro dele furaria logo mais a frente. O que acontece depois disso é uma das cenas mais tensas que já vi em um filme.

relatos-salvajes-1 (7)

E Darín? Cadê Ricardo nessa história toda? Darín, interpreta Símon, um engenheiro de demolições  que tem seu carro guinchado exatamente no dia do aniversário da filha, ao estacionar o mesmo em frente a confeitaria que foi buscar o bolo para a festinha. Aqui temos a personificação de um Michael Douglas argentino em “Um dia de fúria”. Ele perde o aniversário da filha, a mulher pede o divórcio e o carro dele é guinchado novamente. Revoltado contra o sistema robótico dos atendentes do centro de transportes, Símon bola um plano para se vingar de toda essa burocracia infeliz. Não esqueçam que ele é engenheiro de demolições com explosivos. Imaginem o que pode ser feito com isso.

relatos-salvajes-1 (8)

Por fim temos o casamente de Romina. Seria o evento perfeito se, no meio da festa, ela não se desse conta que a moça que está em uma das mesas, onde só tem colegas de trabalho do noivo, está a dona do telefone que ela viu no celular do noivo e desconfiou certa vez. Depois de uma sagaz ideia de ligar para o número e vê-la atender, Romina tem um surto totalmente freaking out e começa a fazer do casamento uma grande celebração de verdades.

Beirando a loucura, Romina com muito humor negro e ironias faz da própria festa um momento de horror total. Será que serão felizes para sempre mesmo assim?

relatos-salvajes-1 (6)

“Papas a caballo” é uma receita típica da culinária argentina. Essa receita surgiu no bairro de Chacarita, onde estava a primeira fábrica de geladeiras  gás que existia no país.  Como os trabalhadores eram muitos e tinham bastante fome, a cozinheira resolveu fritar muitas batatas e ovos para serví-los. Quando eles chegaram ao refeitório ela resolveu colocar os ovos fritos em cima das batatas e assim surgiu o prato. Eu nunca tinha comido isso assim e confesso para vocês que é uma delícia.

IMG_0299

Batatas a cavalo

Tempo Prep: 90 min
Tempo Coz: 30 min
Serve: 2

Ingredientes

  • 400 g de batata asterix (compre as maiores que achares)
  • 1 litro de óleo (usei canola)
  • 2 litros de água
  • 2 ovos (ou mais, se quiseres!)
  • Sal e pimenta do reino

Modo de Fazer

  1. Coloque uma panela com água no fogo para ferver. Corte as batatas em palitos grossos e vá colocando elas em uma travessa cheia de água para não escurecerem. Quando a água estiver fervendo, coloque as batatas e deixe por 5 minutos. Retire, escorra e coloque em uma travessa que possa ir ao freezer. Leve as batatas ao freezer por 1 hora.
  2. Aqueça o óleo em uma frigideira de bordas altas. Adicione pouca quantidade de batatas por vez. Deixe corar, retire e coloque em um papel toalha. Salgue. O segredo é também não ficar mexendo muito nelas antes que criem a casquinha gostosa.
  3. Frite o ovo, como de costume (eu uso pimenta do reino e sal para temperar), acomode as batatas em um prato e o ovo em cima delas. Agora é só comer!

3 Comentários

  • Sidney 29 de Março de 2016 (17:19)

    Adorei os filmes, situações críticas e bem curiosas, com situações nada comum, e os finais bem inesperados.

  • MARINA ROSA 19 de Abril de 2016 (07:15)

    TEMOS, NO BRASIL, O BIFE À CAVALO. QUAL DOS DOIS PRATOS SURGIU PRIMEIRO?

    • Sara Graciano
      Sara Graciano 19 de Abril de 2016 (08:30)

      Marina, tudo bem? Muito interessante seu questionamento, fui pesquisar e encontrei a seguinte informação:
      “O bife a cavalo é receita de origem europeia, na França conhecido como Bifeteck à Cheval, consistindo em bife de carne de vaca grelhado, sendo colocados por cima ovos fritos. Por sua aparência lembravam as selas de montaria.[2]
      Na Argentina é conhecido como bife a caballo e na Colômbia como Bistec a Caballo.
      O cronista Luiz Edmundo, ao se referir aos restaurantes e casas de pasto da cidade do Rio de Janeiro, na passagem do século XIX, e primeiras décadas do século XX, diz que:
      É uma gíria de restaurante que ainda não se perdeu de todo. Chama-se, ainda hoje, ao bacalhau, espinha, e chinês, ao arroz. Um bife com ovo em cima, é um ‘bife com um ovo-a-cavalo’ (essa expressão de gíria passou aos restaurantes de certa categoria, e também ficou)”

      Espero ter sanado sua dúvida, abraços,
      Sara

Comente com o Facebook