Big Little Lies & Pudim de Chocolate

Monterey, California, uma cidade assombrada por um assassinato. O primeiro episódio nos dá nuances e depoimentos sobre isso. Não sabemos quem morreu, muito menos quem matou. E essa premissa que já levou muitas séries a degringolarem (e se tornarem repetitivas) funciona muito bem em Big Little Lies. Você fica ligadão nos 7 episódios que te levam até o que afinal aconteceu.
A série se passa através da vida de 4 mulheres.

– Ela se mudou para cá por causa do seu café.
– Você se importa… Quer um?
– Sim.
– Três, por favor.
– O meu com algo como chocolate que me faça engordar.
Madeline (Reese Witherspoon)

Madeline, vivida por Reese Witherspoon, casada pela segunda vez, resolveu se dedicar ao lar e a trabalhos comunitários. Ela não tem papas na língua e adora se meter em todos os bafos da pequena cidade. Além disso, tem duas filhas, uma adolescente problemática (é novasss) e a pequena Chloe que, sinceramente, se um dia eu tivesse uma filha queria que fosse igual a ela. Uma menina que vive ouvindo músicas boas (de Charles Bradlay a Naomi Shelton) e deixa sempre as cenas que ela aparece bem divertidas.

Nicole Kidman dá vida à Celeste, uma mulher que está em um relacionamento pra lá de abusivo com o marido, o bem sucedido ex-vampirão de True Blood Perry (Alexander Skarsgård). Os dois vivem naquela coisa de brigas e amassos, entre tapas e beijos (literalmente). Ela deixou a carreira de advogada para ficar em casa e cuidar dos gêmeos loiríssimos.

Jane (Shailene Woodley – de A Culpa é das Estrelas) é a recém chegada a cidade. Com um filho pequeno, ela faz a mãe solteira que saiu em busca de uma vida nova. Logo no primeiro episódio ela é ”adotada” por Madeleine, que começa a querer ser sua melhor amiga e a protege da sociedade maldosa da cidade.

Ainda temos Renata Klein (Laura Dern), a mais rica e poderosa da cidade, uma diretora de empresa super arrogante, que dá pitis e escândalos por todos os motivos. Laura está perfeita no papel, porque dá uma raiva danada dela (o tempo todo).

A morte investigada, que passamos os episódios a tentar desvendar, é apenas um pano de fundo para que possamos entrar na vida dessas mulheres todas e saber mais sobre elas. O que nos parece, inicialmente, é que todas (exceto Jane, a recém chegada) tem uma vida maravilhosa, são ricas e vivem em um lugar paradisíaco. Além de tudo isso, são muito felizes. Começamos a entender então que estão todas envolvidas naquela teoria da “vida de plástico”: onde tudo é perfeito e lindo, porém, é uma coisa totalmente falsa. Há muito nó embaixo dessa bruma toda de felicidade.

Chama bastante atenção o cuidado com a fotografia e design da série: as casas tem cores bem definidas, com decorações que chamam bastante atenção por fazerem jus as personalidades de cada dona, assim como também, é fácil de ver os problemas que enfrentam cada uma.

A mansão envidraçada de Renata, totalmente fria e que parece ter saído de uma revista, com tudo no devido lugar. O que nos dá aquela impressão que devemos passar invisíveis por ela para não tocar em nada. Com um pé direito alto e infinito, nos passa uma total sensação de falta de aconchego. O que condiz muito com o modo como Renata leva a vida, de uma maneira fria e ríspida, com todos os passos milimetricamente dosados para que nada saia de seu controle.

Na casa de Madeline tudo é focado na cozinha. Uma belíssima peça bem decorada e com ares de aconchego, onde todos se colocam em volta da mesa para fazer as refeições e conversar. Confesso que é a casa que mais me agrada, pois passa sinceridade.

Mesmo havendo discussões ou conflitos naquele recinto, eles me parecem sempre muito condizentes com a realidade. Há uma sadia convivência entre os familiares e assuntos interessante, além de uma bela trilha sonora fornecida pela caçula em seu telefone.

A casa de Celeste fica a beira do mar, onde temos sempre imagens das ondas sendo lançadas com força nas rochas ou muros. A decoração tem cores quentes, o que mostra a vida sexual “caliente” que ela e o marido tem.

Jane, que ainda é uma moradora nova da cidade, vive em uma pequena casa, que por vezes se mostra sufocante, por ser pequena, por outras temos a sensação de liberdade, pois pelo mínimo que se tenha, é melhor do que estar próximo do passado que tanto a oprime e dos problemas que teve em outros locais.

Interessante a preocupação da série nesse ponto, pois tem coisa que mais fale da gente do que a nossa própria casa? Reflitam.

Jean-Marc Vallée dirige com maestria a série, dando muitas vezes aquela impressão de documentário, com a câmera na mão. O modo usado, de narrativa não-linear, mesclando os depoimentos da delegacia, com a história atual e flashbacks deixa com que os episódios corram de forma incrível e instigante, prendendo o espectador até sua última cena, no final do 7º episódio, onde temos a revelação de tudo o que houve e esperamos tanto por saber. (Me lembrou muito o modo que foi levada a primeira temporada de True Detective).

Muito amor por Darby Camp <3

Não poderia deixar de elogiar a atuação impressionante de todas as atrizes, sendo que, Reese Witherspoon me surpreendeu eternamente. Ela está magnífica no papel. Madeline <3

Big little lies é uma produção da HBO, aquela que nunca decepciona.

Assistam e depois me contem o que acharam!

Para acompanhar o post, resolvi fazer pudim de chocolate, porque chocolate nunca é demais, já diria Madeline!

Pudim de Chocolate

Preparo: 15 min
Cozimento: 90 min
Serve: 8 porções

Ingredientes

  • 3 ovos
  • 1 lata de leite condensado
  • 2 latas de leite (use a mesma medida da lata de leite condensado)
  • 1 xíc. de chocolate em pó
  • 1 xíc. de açucar (para o caramelo)
  • 1/4 xíc. de água fervente (para o caramelo)

Modo de Fazer

  1. Em uma panela, derreta o açúcar até ele ficar dourado. Junte meia xícara (chá) de água quente, mexa com uma colher e deixe ferver até os torrões de açúcar se dissolverem e a calda engrossar. Forre com essa calda uma forma com furo central (19 cm de diâmetro) e reserve.
  2. Bata no liquidificador o leite condensado, o leite, o chocolate e os ovos até que fique tudo homogêneo.
  3. Despeje na forma caramelada. Cubra a forma com papel-alumínio e asse em banho-maria em forno médio (180ºC) por cerca de 1 hora e 30 minutos.
  4. Espere esfriar e leve à geladeira para gelar por cerca de 6 horas. Desenforme e sirva.

Você também pode gostar de:

Comentários no Facebook