Esfiha de carne

Sabor de Infância - qual sabor te remete aos tempos de criança? O meu foi, e sempre será, das Esfihas que meu Vô fazia na casa que ele tinha em Leme. A  Priscila do Culinarístico também falou sobre a receita preferida da infância dela: Enroladinho de salsicha. Continue lendo

Blue Valentine & Torta de limão siciliano

Eu acho que homens são mais românticos que mulheres. Quando nos casamos, é com "A" garota, nós resistimos o tempo todo até conhecermos uma garota e pensamos: eu seria idiota se não casasse com ela. O que falar e o que não falar sobre Blue Valentine? Eu ainda estou me perguntando depois de ter visto o filme duas vezes e pensando em ver mais uma dúzia. Não dá para não comentar que o papel de Ryan Gosling é do tipo de homem que toda mulher gostaria de chamar de seu. Sabe? Aquele ... Continue lendo

Mapa dos sons de Tóquio & Yakisoba de Camarão

O que dizer quando um filme é tão arrebatador? Mapa dos sons de Tóquio me perfurou a alma de uma forma que eu sabia que iria mesmo acontecer, já que, a diretora está entre umas das melhores no meu conceito. Isabel Coixet nos faz mais triste em "Minha vida sem mim", assim como também em "A vida secreta das palavras". Depois disso ainda assisti a "Fatal", que acredito ter sido seu último filme antes desse que vou começar, ou já comecei, a falar. Eu tento não pensar em como as coisas ... Continue lendo

Lars and the real girl & Quiche de alho-poró

“Lars and the Real Girl” (aqui no Brasil encontra-se como "A garota ideal") é classificado como uma comédia, coisa que discordo. O filme fala sobre a vida de Lars (vivido pelo nada mais tudonavidadeumapessoa que Ryan Gosling - que além de tudo mostra mais uma vez que baita ator que ele é), um cara pacato, tímido e completamente introvertido. Lars mora na garagem da casa de seu irmão e cunhada. Lars é um cara que leva uma vida 'normal', trabalha, vai a Igreja, mas não deixa que ... Continue lendo

O fabuloso destino de Amelie Poulain & Crème Brulée

Amelie morava só. Trabalhava em uma cafeteria e era dona de pequenos prazeres como: fotografar nuvens quando criança e enfiar a mão nos sacos cheios de sementes das quitandas da vida. O maior prazer de Amelie era distribuir o amor - e ela era cheia dele. São tempos difíceis para os sonhadores. Me lembro exatamente da primeira vez que eu vi esse filme. Eu sorria a cada cena. Na pequena vingança com o vizinho mentiroso na infância. Nas divagações dela deitada na cama, de barriga ... Continue lendo